Paleogeografia e Paleoecologia do Cenomaniano do Baixo-Mondego

 
 

    Depois do processo de rifting intracontinental do final do triásico formou-se, na orla ocidental do nosso território, uma bacia com uma espessa série sedimentar1. A Bacia Lusitaniana teve quatro fases de rifting com intervalos de subsidência. A seguir ao Aptiano existiu um longo intervalo de detumescência térmica que resultou na deposição de caráter transgressivo, desde o Albiano ao Turoniano, da chamada Plataforma Carbonatada Ocidental Portuguesa. No setor norte a transgressão marca presença a partir de Cenomaniano médio com sedimentação carbonatada e carbonato-siliclástica que atingiu as proximidades de Coimbra. Este episódio sedimentar demonstra um enriquecimento gradual em carbonatos, em ambientes neríticos, colonizados por biostromas de Gyrostrea ouremensis em paleocomunidades que incluíam Anisocardia orientalis e Harpagodes incertus (Callapez, 2008).

    Com o início do Cenomaniano superior assiste-se a um aumento generalizado da profundidades, em linha com a subida eustática que afetou as margens europeia e norte-africana do Tétis, culminando com a deposição de uma da plataforma carbonatada e uma retração para este da planície aluvial na região do Baixo-Mondego, fazendo com que esta plataforma interna se tenha estendido até às proximidades do meridiano de Coimbra. Os níveis C e D são testemunho destes acontecimentos interpretados como resultantes de fundos costeiros, de substratos macios, oxigenados e com acentuada sedimentação carbonatada. Segundo Callapez (2008), as paleocomunidades bentónicas eram ricas e diversificadas, com abundância organismos epifaunais como Pycnodonte vesiculare, Rhynchostreon columbum, Ceratostreon flabellatum, Neithea hispanica, Neithea dutrugei, Plicatula auressensis, Harpagodes incertus, Cimolithium tenouklense, Drepanocheilus olisiponensis; semi-infaunais como Pinna sp. e organismos infaunais, como era o caso dos equinóides do género Mecaster. A fauna nectónica incluía Neolobites vibrayeanus e Lessoniceras mermeti (Callapez, 2008).

     A microfauna de foraminíferos, estudada em lâmina delgada, proveniente de amostragem dos níveis C e D, representam a maior biodiversidade destes microfósseis na sucessão cenomaniana-turoniana do Baixo-Mondego. A associação faunística identificada representa um domínio correspondente a uma rampa carbonatada, em ambientes com águas pouco profunda ou ligeiramente mais profundas. Estas conclusões indicam que estes níveis correspondem ao máximo de inundação do setor norte da Plataforma Carbonatada Ocidental Portuguesa (Hart et al., 2005).

    Na parte média do Cenomaniano superior, representado pelos níveis E, F e G, o setor da plataforma, aflorante no Baixo-Mondego, corresponde a um ambiente sedimentar sob influência oceânica, mas afectado por um afluxo importante de sedimentação siliclástica proveniente dos sistemas fluviais presentes na região. Aliás, este terá sido um fator limitante ao aparecimento de comunidades recifais, com corais hermatípicos ou com Caprinula boissyi, como as que se instalaram na zona central da plataforma (Callapez, 2008). Assim, de W para E, verifica-se a existência de um domínio de natureza subtidal, com fundos carbonato-argilosos, onde se instalaram corais ahermatípicos, equinoides infaunais e gastrópodes. Seguiam-se águas pouco profundas, com substrato favorável a comunidades bentónicas, onde abundavam Rhynchostreon columbum, Ceratostreon flabellatum, Neithea hispanica, Tylostoma ovatum, Tylostoma torrubiae e Mecaster scutiger, a fauna nectónica está largamente representada pelos vascoceratídeos tetianos. Nas zonas mais internas a paleogeografia contempla quatro domínios contíguos com um decréscimo de biodiversidade para Este (Callapez, 2008).

    Durante o Cenomaniano terminal, representado pelos níveis H, I e J, a Plataforma Carbonatada Ocidental Portuguesa foi afetada por importantes alterações de caráter tectónico que implicaram o levantamento gradual, e consequente emersão, dos setores sul e central. Enquanto isso, a norte, continuou uma sedimentação carbonatada de águas mais profundas. Esta tipologia sedimentar iria diminuir e daria origem a uma sedimentação de caráter mais argiloso, que se expressa no nível I da sucessão. Este nível representa fundos sublitorais lodosos com paleocomunidades onde abundavam pequenos Mecaster scutiger e tilostomídeos (Callapez, 2008).

    Com o nível J testemunhamos o regresso de uma sedimentação mais carbonatada, com fundos macios, favoráveis a paleocomunidades onde tinham prevalência organismos bentónicos representados pelos géneros Trigonarca, Callucina, Pycnodonte, enquanto que o género Vascoceras constituía o grupo de organismos nectónicos mais representado.

    Esta transição cenomaniano-turoniana é contemporânea do Evento Bonarelli (OAE 2). A ocorrência simultânea de abundantes calciesferas e do foramínifero planctónico Helvetoglobotruncana praehelvetica, acima dos níveis que testemunham a extinção da fauna tipicamente cenomaniana, são indicativas da presença do evento de extinção do final do Cenomaniano (Hart, 1991; Hart et al., 2005). Esta terá sido uma importante crise biótica, na história do Cretácico, embora não se trate de um dos grandes eventos de extinção, já que o registo de extinção é fundamentalmente ao nível da espécie e não ao nível de categorias taxonómicas superiores (Raup &Sepkoski, 1982).

 

Bibliografia

Berthou, P.-Y. (1973).  Le Cénomanien de l' Estremadure portugaise. Memórias dos Serviços Geológicos de Portugal, 23: 1-169.

Berthou, P.-Y., Chancellor, G. & Lauverjat, J. (1985).  Revision of the Cenomanian-Turonian Ammonite Vascoceras Choffat, 1898, from Portugal. Comunicações dos Serviços Geológicos de Portugal, 71: 55-79.

Berthou, P.-Y., Soares, A. F. & Lauvervat, J. (1979). Portugal, in Mid Cretaceous Events Iberian field Conference 77, guide, I. Cuaderos de Geologia Ibérica, 5: 31-124.

Callapez, P. M. (1999). The Cenomanian-Turonian of the Western Portuguese Basin: Stratigraphy and Palaeobiology of the Central and Northern sectors. European Paleontological Association Workshop, Field Trip B, Lisbon, 65 pp.

Callapez, P.M. (2003). The Cenomanian-Turonian transition in West Central Portugal: ammonites and biostratigraphy. Ciências da Terra, 15: 53-70.

Callapez, P.M. (2008). Palaeobiogeographic evolution and marine faunas of the Mid-Cretaceous Western Portuguese Carbonate Platform. Thalassas, 24: 29-52.

Callapez, P.M. & Soares, A.F. (2001). Fósseis de Portugal: Ammonóides do Cretácico superior (Cenomaniano-Turoniano). Museu Mineralógico e Geológico da Universidade de Coimbra, Ediliber Press, Coimbra, 106 p.

Choffat, L.P. (1897). Sur le Cretácique de la region du Mondego. C.R. Academie de Sciences de Paris, 124: 422-424.

Choffat, L.P. (1900). Recueil de monographies stratigraphiques sur le Système Crétacique du Portugal - Deuxième étude - Le Crétacé supérieur au Nord du Tage. Direction des Services Géologiques du Portugal, Lisbonne, 287 p.

Cunha, P. & Reis, R. (1992). Síntese da evolução geodinâmica e paleogeográfica do sector norte da Bacia Lusitânica, durante Cretácico e Terciário. Actas III Congreso Geologico de Espanã y VII Congreso Latinoamericano de Geologia, 1: 107-112.

Cunha, P. & Reis, R. (1995) - Cretaceous sedimentary and tectonic evolution of the northern sector of the Lusitanian Basin (Portugal). Cretaceous Research, 16: 155-170.

Daveau, S., (1976). Le bassin de Lousã. Évolution sédimentologique, téctonique et morphologique. Memórias e Notícias. Coimbra, 82, 95-115.

Hart, M.B. (1991). The Late Cenomanian calcisphere global bioevent. Proceedings of the Ussher Society, 7: 413-417.

Hart, M.B., Callapez, P.M., Fisher, J.K., Hannant, K., Monteiro, J.F., Price, G.D., Watkinson, M.P. (2005). Micropalaeontology and stratigraphy of the Cenomanian/Turonian boundary in the Lusitanian Basin, Portugal. Journal of Iberian Geology, 31: 311-326.

Raup, D. & Sepkoski, J (1982). Mass Extinctions in the Marine Fossil Record. Science, New Series, Vol. 215, No. 4539, 1501-1503.

Rocha, R.; Manupella, G; Mouterde, R.; Ruget, C. & Zbyszewski, G (1981) .Carta Geológica de Portugal na escala 1/50.000. Notícia explicativa da folha 19 C - Figueira da Foz. Serviços Geológicos de Portugal, Lisboa, 126 p.

Soares, A. (1966). Estudo das formações pós-jurássicas da região entre Sargento-Mor e Montemor-o-Velho. Memórias e Notícias, 62: 343 p.

Soares, A. (1972). Contribuição para o estudo do Cretácico em Portugal. Memórias e Notícias, 74: 56 p.

Soares, A., Barbosa, B. & Reis, R. (1982). Esboço de enquadramento cronostratigráfico das unidades líticas pós-jurássicas da Orla Meso-Cenozóica Ocidental entre os paralelos de Pombal e Aveiro. Memórias Notícias, Coimbra, 93: 77-91.

Soares, A. & Reis, R. (1980). Considerações sobre as unidades biostratigráficas pós-jurássicas na região do Baixo Mondego. Livro de Homenagem a Orlando Ribeiro, Lisboa, 183-202

Soares, A., Marques J., & Sequeira, A.( 2007). Notícia Explicativa da Carta Geológica de Portugal, Escala 1:50.000, Folha 19-D (Coimbra): INETI, 71 p.

 

Nota: Adaptação de textos escritos para trabalhos de MEP e PI


1Registe-se que esta secção  foi escrita com recurso a paráfrases pelo que, para conhecimento cabal do tema, deve-se consultar os autores referidos. Quaisquer erros são da responsabilidade do autor de Stereocidaris figueirensis.